A perda de Francesco Comunello. A década de 1980: novos desafios para Francom
Utilizamos os cookies, também de terceiros, para personalizar a experiência do usuário e para estudar como vem sendo utilizado o nosso site. Você concorda com nossos cookies se continuar a utilizar nosso site. Para maiores informações clique aqui.

A perda de Francesco Comunello. A década de 1980: novos desafios para Francom

A perda do fundador

Com o lançamento da nova fábrica e sede, Francesco Comunello estabeleceu uma base sólida para o futuro da Francom - mas o futuro tomaria uma direção que ele não poderia prever.
Apenas um ano depois, em 1982, um acidente de carro (voltando de uma convenção em Colônia, Alemanha), levaria sua vida. Francesco deixou sua esposa Maria e seus três filhos, Luca (19), Bibiana (14) e Adamo (12). Nos dias e semanas após o trágico incidente, o futuro da empresa foi decidido; Luca, o mais velho, apenas 19 anos na época, optou por deixar seus estudos e tomar as rédeas da empresa, ao lado de sua mãe. Nos anos seguintes, eles se juntaram com Adamo e sua esposa Fabiola. Graças à ajuda de amigos, funcionários e do pessoal, a empresa foi capaz de se reagrupar... superando o choque da perda do ente querido e fundador. E, como Francesco sempre fez, eles olharam para o futuro.

Anos 80

Do ponto de vista econômico, o período foi extremamente positivo para a região do Vêneto inteiro: produção, em ambos os setores industriais e de serviços, foi aumentando em ritmo mais rápido do que o da média na Itália. Francom não foi uma exceção. Em 1989, ano em que o Muro de Berlim caiu, a empresa atingiu um recorde histórico de 300.000 caixas de ferramentas em um único ano.

Anos 90

Com o início da nova década, mais uma vez as mudanças apareceram no horizonte: os efeitos da globalização começou a ser sentida no mercado italiano. Em um tempo muito curto, produtos e preços nacionais estavam competindo em um ilimitado novo mercado mundial. Para Francom, isso significaria ainda um outro desafio: a chegada de caixas de ferramentas de plástico importadas dos Estados Unidos levou uma queda no mercado de caixas de ferramentas de metal - na Itália, chegou tão alto quanto 90 por cento.
A gestão virou novamente, favorecendo a lei da oferta e da procura, e iniciou a produção de caixas de metal para peças pequenas e ferramentas, painéis de ferramentas e cofres. Esta escolha envolveu uma renovação também nas fases técnicas de produção, com a adoção de máquinas de controle numérico que permitiram a empresa ao longo do tempo libertar-se da dependência de fornecedores externos.